Apelo à santidade

Portanto, estejam com a mente preparada, prontos para a ação; sejam sóbrios e coloquem toda a esperança na graça que lhes será dada quando Jesus Cristo for revelado. Como filhos obedientes, não se deixem amoldar pelos maus desejos de outrora, quando viviam na ignorância. Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, pois está escrito: “Sejam santos, porque eu sou santo”. Uma vez que vocês chamam Pai aquele que julga imparcialmente as obras de cada um, portem-se com temor durante a jornada terrena de vocês. Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver que lhes foi transmitida por seus antepassados, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito, conhecido antes da criação do mundo, revelado nestes últimos tempos em favor de vocês. Por meio dele vocês creem em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos e o glorificou, de modo que a fé e a esperança de vocês estão em Deus. Agora que vocês purificaram as suas vidas pela obediência à verdade, visando ao amor fraternal e sincero, amem sinceramente uns aos outros e de todo o coração. Pois vocês foram regenerados, não de uma semente perecível, mas imperecível, por meio da palavra de Deus, viva e permanente – 1Pe 1.13 a 23

 

INTRODUÇÃO

Quando o assunto é santidade, o que vemos são muitos equívocos. Esses são os equívocos mais comuns:

  1. Tomar a parte pelo todo

Há uma tendência de diminuir o que significa santidade.

Santidade é uma conformação de mente e coração a Deus, aos mandamentos de Deus e de Cristo – Jonathan Edwards

Ilustração: Conversa com Danilo Lineker

Eu não bebo, não fume, não jogo na loteria, não brigo com o vizinho, então eu sou santo.

Muitas vezes a visão é negativa.

Santidade para muitos é não fazer.

Mas, santidade bíblica é uma questão de ser;

O justo não faz o que o ímpio faz porque ele é justo:

Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores! – Salmo 1.1

Ele faz o que faz porque é justo:

Ao contrário, sua satisfação está na lei do Senhor, e nessa lei medita dia e noite – Salmo 1.2

Precisamos urgentemente nos livrar desse equívoco reducionista.

  1. Contrafação

A contrafação é um simulacro, uma imitação barata de algo valioso.

Uma pessoa olha a imagem de um santo. Idealiza para si uma imagem que julga ser similar à que viu e a assimila. Tem cara de santo, cheiro de santo, jeito de santo, linguagem de santo, mas não é santo.

Há pessoas que possuem o estereótipo de santo, mas falta-lhe o conteúdo de santidade.

Ilustração: Enxofre por celestamine

  1. Identificação com fraqueza de caráter

Há pessoas que demonstram certas fraquezas de caráter, são lentas, morosas e inofensivas, aí achamos que se trata de uma pessoa mansa, gentil, cordial e afável. Mas, por dentro é um pit bull enjaulado.

Há quem ostente uma imagem piedosa e tem um mente perversa e pervertida.

Pedro, apóstolo…

A autoria de 1 Pedro tem sido objeto de controvérsia desde o início da erudição crítica. Porém, 1 Pedro 5.1 contribui com mais uma prova da autoria petrina. A referência a “Babilónia” em 5.13 parece fornecer um apoio indireto à autoria petrina, uma vez que a identificação tenha sido estabelecida.

Os leitores da carta situam-se no Ponto, na Galácia, na Capadócia, na Ásia e na Bitínia (1.1); tudo designações de províncias romanas, cuja ordem representa provavelmente o itinerário que Silvano terá seguido na entrega da carta.

As referências às “antigas concupiscências” (1.14); ao “modo de vida fútil” (1.18); “outrora não éreis povo, mas agora sois povo de Deus” (2.10) e “outrora tínheis realizado os desejos dos gentios” (4.3); tudo isto aponta para um público essencialmente gentio, a quem Pedro se dirige como se fossem judeus

Os cristãos do Ponto, da Galácia, da Capadócia, da Ásia e da Bitínia (1.1) devem permanecer firmes na graça de Deus (5.12) que resultou na sua salvação (1.3-12) através de

1) uma vida santa e amorosa entre os santos (1.13-2.10);

2) vivendo vidas submissas diante das autoridades (2.11-17) e dentro da família (2.18-3.12);

3) vivendo honrosamente diante do sofrimento (3.13-4:19) e

4) mantendo e desenvolvendo uma liderança de qualidade na igreja (5.1-11).

Fonte: O apóstolo Pedro sobre a obediência civil: Uma Exegese de 1 Pedro 2:13-17 por Greg Herrick, Th.M.

Em sua breve exortação à firmeza na fé em Cristo Pedro instrui os cristãos:

Portanto, estejam com a mente preparada, prontos para a ação; sejam sóbrios e coloquem toda a esperança na graça que lhes será dada quando Jesus Cristo for revelado. Como filhos obedientes, não se deixem amoldar pelos maus desejos de outrora, quando viviam na ignorância – 1Pe 1.13 e 14

 

Motivos para buscar a santidade:

Pedro nos apresenta pelo menos cinco motivos para buscar a santificação nos moldes de Hebreus 12.14: Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor.

  1. FOMOS ELEITOS POR DEUS

Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos de Deus – 1Pe 1.1

Pedro escreveu aos eleitos.

Há grande controvérsia no mundo da teologia cristã quanto ao coo se deu a eleição divina.

Porém, há um consenso: houve uma eleição.

A Bíblia é bem clara ao ensinar que os cristãos verdadeiros, os regenerados pelo Espírito Santo, os verdadeiros filhos de Deus foram eleitos por Deus na eternidade.

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo. Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade, para o louvor da sua gloriosa graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado – Ef 1.3 a 6

 

O conceito de eleição pressupõe uma escolha deliberada da parte do leitor. Paulo enfatiza a eleição por graça e Pedro a eleição pela presciência divina:

… escolhidos de acordo com a pré-conhecimento de Deus Pai, pela obra santificadora do Espírito, para a obediência a Jesus Cristo e a aspersão do seu sangue… – 1Pe 1.2

 

A eleição, seja ela compreendida por graça, presciência ou decreto divino, se constitui um motivo significativo para vivermos em santidade.

Quando Deus, por sua graça nos escolheu, ele conferiu dignidade aos indignos. Uma vez dignificados, somos constrangidos a viver como tal.

Pois o amor de Cristo nos constrange, porque estamos convencidos de que um morreu por todos; logo, todos morreram – 2Co 5.14

 

Eu, que tinha em mim mesmo todos os requisitos para ser descartado, excluído e condenado, fui incluído na família de Deus, selado com o Espírito Santo e me tornei herdeiro de Deus e co-herdeiro com Cristo. Isto se constitui motivo, mais que suficiente para que eu queira viver como Deus se agrada:

Porque outrora vocês eram trevas, mas agora são luz no Senhor. Vivam como filhos da luz, pois o fruto da luz consiste em toda bondade, justiça e verdade; e aprendam a discernir o que é agradável ao Senhor – Ef 5.8 a 10

 

  1. SOMOS PEREGRINOS AQUI

Pedro chama os destinatários de sua carta de peregrinos.

Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos de Deus, peregrinos dispersos no Ponto, na Galácia, na Capadócia, na província da Ásia e na Bitínia – 1Pe 1.1

 

O que é um peregrino?

Segundo Thayer’s, um peregrino παρεπίδημος é aquele que vem de um país estrangeiro para uma cidade ou terra para aí residir ao lado dos nativos, um estrangeiro que habita num lugar estranho, um forasteiro. (Polybius 32, 22, 4; Athen. 5, p. 196 a.)

Nas metáforas do NT em referência ao céu como o país nativo, o peregrino é aquele que permanece na terra.

Jesus orou ao Pai:

Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno. Eles não são do mundo, como eu também não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade – João 17.15 a 17

 

E disse aos discípulos:

Se vocês pertencessem ao mundo, ele os amaria como se fossem dele. Todavia, vocês não são do mundo, mas eu os escolhi, tirando-os do mundo; por isso o mundo os odeia – João 15.19

 

Somos peregrinos aqui. Tal como os patriarcas:

Todos estes ainda viveram pela fé, e morreram sem receber o que tinha sido prometido; viram-nas de longe e de longe as saudaram, reconhecendo que eram estrangeiros e peregrinos na terra. Os que assim falam mostram que estão buscando uma pátria. Se estivessem pensando naquela de onde saíram, teriam oportunidade de voltar. Em vez disso, esperavam eles uma pátria melhor, isto é, a pátria celestial. Por essa razão Deus não se envergonha de ser chamado o Deus deles, pois preparou-lhes uma cidade – Hebreus 11.13 a 16

 

Um peregrino tem um modo de pensar, de agir e reagir diferente dos cidadãos daquele determinado lugar.

Ilustração:

Propaganda de Curitiba com Oscar Schmidt – jogador de basquete.

A mente e o coração do peregrino estão no lugar de sua origem:

Canto do Exílio – Gonçalves Dias

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;

As aves, que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.

 

Nosso céu tem mais estrelas,

Nossas várzeas têm mais flores,

Nossos bosques têm mais vida,

Nossa vida mais amores.

 

Saudade – Hino 484 do Cantor Cristão – Fanny Jane Crosby (1820-1915).

Da linda pátria estou mui longe,

Triste eu estou;

Eu tenho de Jesus saudade;

Quando será que vou?

Passarinhos, belas flores

Querem me encantar.

Oh, vão terrestres esplendores,

Não quero aqui ficar!

 

Jesus me deu fiel promessa,

Vem me buscar;

Meu coração está com pressa,

Eu quero ao céu voar.

Meus pecados são mui grandes,

E culpado sou,

Mas o seu sangue põe-me limpo,

E para a pátria vou.

 

Qual filho, de seu lar saudoso,

Eu quero ir;

Qual passarinho para o ninho,

Eu quero ao céu subir.

 

Um peregrina não se deixa amoldar pelos costumes do local por onde peregrina. Seus valores são os valores de sua pátria Celestial.

No céu, nossa morada eterna, a vontade de Deus é plenamente obedecida – Mt 6.10. E a vontade de Deus é bem específica: A vontade de Deus é que vocês sejam santificados – 1Ts 4.3

  • TRATA-SE DE UM MANDAMENTO

Pedro cita um texto da lei de Moisés: Disse ainda o Senhor a Moisés: Diga o seguinte a toda comunidade de Israel: Sejam santos porque eu, o Senhor, o Deus de vocês, sou santo – Lv 19.1 e 2

Ilustração – Palestra do capitão Da Mata

Deus não dá uma ordem impossível de ser realizada. Deus já nos santificou – no sentido posicional – em Cristo:

… à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso – 1Co 1.2

 

Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus – 1Co 6.11

 

Pois, tanto o que santifica como os que são santificados, todos vêm de um só. Por isso, é que ele não se envergonha de lhes chamar irmãos – Hb 2.11

 

Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas – Hb 10.10

 

O conceito bíblico de santificação é um conceito baseado na ideia de separação. Ser santo, antes de tudo, significa ser separado. Separado de, para.

Ilustração do açougueiro que separa as partes da carne do animal.

O termo hebraico qâdôwsh – santo – deriva de qâdash que significa separar, cortar, dispor à parte.

Os separados (santos) por natureza, quererão permanecer separados.

Paulo interpreta a santificação como uma ação de separar-se:

Que acordo há entre o templo de Deus e os ídolos? Pois somos santuário do Deus vivo. Como disse Deus: “Habitarei com eles e entre eles andarei; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo”. Portanto, “saiam do meio deles e separem-se”, diz o Senhor. “Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei” “e lhes serei Pai, e vocês serão meus filhos e minhas filhas”, diz o Senhor Todo-poderoso – 2Co 6.16 a 18

 

Paulo alude ao incidente no deserto envolvendo os rebeldes Datã, Corá e Abirão – Números 16, Is 52.11.

Nós éramos do mundo, mas fomos separados do mundo para Deus:

Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus. Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus – 1Co 6.9 a 11

 

Os santificados foram habilitados a se santificarem:

Seu divino poder nos deu todas as coisas de que necessitamos para a vida e para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude. Por intermédio destas ele nos deu as suas grandiosas e preciosas promessas, para que por elas vocês se tornassem participantes da natureza divina e fugissem da corrupção que há no mundo, causada pela cobiça. Por isso mesmo, empenhem-se para acrescentar à sua fé a virtude; à virtude o conhecimento; ao conhecimento o domínio próprio; ao domínio próprio a perseverança; à perseverança a piedade; à piedade a fraternidade; e à fraternidade o amor. Porque, se essas qualidades existirem e estiverem crescendo em suas vidas, elas impedirão que vocês, no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo, sejam inoperantes e improdutivos. Todavia, se alguém não as tem, está cego, só vê o que está perto, esquecendo-se da purificação dos seus antigos pecados. Portanto, irmãos, empenhem-se ainda mais para consolidar o chamado e a eleição de vocês, pois se agirem dessa forma, jamais tropeçarão, e assim vocês estarão ricamente providos quando entrarem no Reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo – 2Pe 1.3 a 11

 

Paulo nos exorta:

Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não apenas em minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor, pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele – Fp 2.12 e 13

 

  1. FOMOS REMIDOS PELO SANGUE DE JESUS CRISTO

Creio que as razões apresentadas acima são mais que suficientes, porém, Pedro deu grande ênfase a essa quarta razão.

Uma vez que vocês chamam Pai aquele que julga imparcialmente as obras de cada um, portem-se com temor durante a jornada terrena de vocês. Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver que lhes foi transmitida por seus antepassados, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito, conhecido antes da criação do mundo, revelado nestes últimos tempos em favor de vocês – 1Pe 17 a 20

 

Um escravo era resgatado por uma certa quantidade de moedas de ouro ou prata:

Disse-me o SENHOR: Vai outra vez, ama uma mulher, amada de seu amigo e adúltera, como o SENHOR ama os filhos de Israel, embora eles olhem para outros deuses e amem bolos de passas. Comprei-a, pois, para mim por quinze peças de prata e um ômer e meio de cevada – Os 3.1 e 2

 

Mas nós não fomos comprados por ouro ou prata, o preço que foi pago por nós é inestimável. Não há nada no mundo que se compare ao preço pago por Jesus Cristo. Nossa mente humana não conseguirá mensurar o valor do sangue do Filho de Deus.

Informação pouco útil:

Você sabia que o líquido mais valioso do mundo é justamente o veneno do escorpião amarelo da Palestina, considerado um dos escorpiões mais perigosos do planeta. De acordo com o site ‘Business Insider’, apenas uma gota deste veneno custa cerca de US$ 130 (aproximadamente R$ 641). A proteína no veneno pode ser usada como tratamento para artrite reumatóide, doença inflamatória do intestino e esclerose múltipla.

Essa preciosidade é nada comparado ao sangue de Jesus Cristo, que não é usado para tratamento de artrite rematóide, doenças inflamatórias do intestino ou escleroso múltipla, e sim para nos purificar de nossos pecados e nos dar vida eterna.

O sangue de Jesus é valioso em si mesmo e pelos efeitos que produz. Valioso por ser o sangue do Cordeiro – que foi morto antes da fundação do mundo (Ap 17.8) – e valioso por ser o sangue da nova aliança entre Deus e os homens.

O fato de esse sangue ter sido, todo ele, derramado na cruz para a nossa salvação e santificação serve como motivo para que nos santifiquemos “em tudo”.

  1. DEVEMOS AGUARDAR A VINDA DE CRISTO EM SANTIDADE

Estamos neste mundo “por breve tempo” – 1Pe 1.6 – logo retornaremos para a nossa pátria celestial. Antes disso, esse mundo vai sofrer severas mudanças:

O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento. O dia do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada. Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor. Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça. Portanto, amados, enquanto esperam estas coisas, empenhem-se para serem encontrados por ele em paz, imaculados e inculpáveis – 2Pe 3.9 a 14

 

Paulo orou a Deus pelos tessalonicenses:

Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, alma e corpo de vocês seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo – 1Ts 5.23

A vida de Jesus Cristo é um fator que deve nos estimular a viver em santidade aguardando-a:

O Reino dos céus, pois, será semelhante a dez virgens que pegaram suas candeias e saíram para encontrar-se com o noivo. Cinco delas eram insensatas, e cinco eram prudentes.  As insensatas pegaram suas candeias, mas não levaram óleo consigo. As prudentes, porém, levaram óleo em vasilhas juntamente com suas candeias. O noivo demorou a chegar, e todas ficaram com sono e adormeceram. “À meia-noite, ouviu-se um grito: ‘O noivo se aproxima! Saiam para encontrá-lo!’ Então todas as virgens acordaram e prepararam suas candeias. As insensatas disseram às prudentes: ‘Dêem-nos um pouco do seu óleo, pois as nossas candeias estão se apagando’. “Elas responderam: ‘Não, pois pode ser que não haja o suficiente para nós e para vocês. Vão comprar óleo para vocês’. “E saindo elas para comprar o óleo, chegou o noivo. As virgens que estavam preparadas entraram com ele para o banquete nupcial. E a porta foi fechada. “Mais tarde vieram também as outras e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abra a porta para nós!’ “Mas ele respondeu: ‘A verdade é que não as conheço!’ “Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia nem a hora!” – Mt 25.1 a 13

 

O hino de Fanny Crosby termina assim:

Sua vinda ao mundo é certa,

Quando, não o sei;

Mas ele me achará alerta,

E para o céu irei.

Que Deus nos ajude

Amém

Publicar um comentário